Polícia Militar de Minas Gerais

SISTEMA DE SAÚDE - CUIDANDO DA SAÚDE DOS SEUS 220 MIL BENEFICIÁRIOS

CENTRO ODONTOLOGICO - Tel (31) 3071-5650


        Centro Odontológico da Polícia Militar de Minas Gerais

No ano de 1979, imersa na atmosfera do final daquela década, a capital mineira presenciava com orgulho o nascimento oficial da Unidade que viria a ser um dos maiores e mais completos centros de especialidades odontológicas do Estado de Minas Gerais: o Centro Odontológico da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais (COdont).

Nessas quatro décadas de vida, a dedicação e o comprometimento dos profissionais que passaram pelo COdont fizeram dele uma referência no atendimento odontológico aos policiais e bombeiros militares mineiros, bem como para seus familiares, sempre fiel à sua missão de oferecer um serviço de excelência aos servidores da Segurança Pública Militar do Estado.

São realizados diariamente mais de 200 procedimentos, operação esta que envolve um time de profissionais capacitados para atender em 16 especialidades, além do acolhimento de urgência odontológica para adultos e crianças. Esses números positivos são apenas exemplos de frutos colhidos durante a longa e brava caminhada do COdont até aqui.

A Unidade passou por mudanças de Governos, de local e também estruturais, construiu nesses anos uma trajetória repleta de feitos e vitórias que marcaram a memória daqueles que ajudaram a escrever esta história.

Rememorar esse período é revisitar um passado de glórias que nos remonta ao início do Século XX, mais especificamente no ano de 1902, quando foi criado o Serviço de Saúde Bucal da Polícia Militar de Minas Gerais. Desde então, o que se presenciou foi a concretização de um sonho visionário, cujos principais marcos apresentamos nessa linha do tempo:

1902

O Serviço de Saúde Bucal da Polícia Militar de Minas Gerais é criado com o nome de Serviço Dentário da Força Policial de Minas Gerais. A sua primeira casa foi o antigo Quartel do Comando Geral na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. Posteriormente, a Unidade mudou-se, juntamente com toda a área de saúde, para a Rua Manaus, nº 348, no bairro de Santa Efigênia, onde permaneceu até por volta de 1940. Neste endereço funcionou apenas um consultório que oferecia atendimento aos militares e aos seus dependentes.

1940

Sob o Comando do Coronel Alvino Alvim de Menezes (1936 – 1943), o Hospital da Polícia Militar de Minas Gerais (HPM) muda-se para novo endereço, na Avenida do Contorno, nº 2787, onde também se instala o Serviço de Saúde Odontológico. A nova unidade passa então a funcionar em cinco salas, sendo uma para a chefia, outra para o laboratório de prótese e três consultórios, onde se realizam atendimentos aos adultos. A unidade também comportava em anexo ao lactário, um consultório para atendimento às crianças, já conhecido na época como área da Odontopediatria.

1964

É realizado o primeiro concurso para admissão de 12 cirurgiões-dentistas. Na época, a tropa do COdont não ultrapassava 58 profissionais e não existiam, até então, os auxiliares e técnicos de saúde bucal e prótese.

1977

Durante o Governo do Dr. Aureliano Chaves de Mendonça (1975 -1978), o então Comandante Geral, Sr. Coronel Carlos Augusto da Costa, determina a formação de um grupo de estudos para verificar a viabilidade de se implantar uma Clínica Odontológica Central, além de policlínicas periféricas na cidade de Belo Horizonte.

Instaladas em pontos estratégicos e de grande concentração militar, a primeira a ser instalada foi a Policlínica Santa Efigênia. Surge aqui o embrião que mais tarde se transformaria na Unidade referência em especialidades odontológicas da PMMG, o Centro Odontológico.

Anos difíceis. A frase resume bem o período em que o Serviço Odontológico da Polícia Militar se organiza para atender aos 20 mil militares da ativa, pensionistas e dependentes de até 12 anos de idade. O atendimento é bastante restrito e o quadro composto por apenas 56 cirurgiões-dentistas empenhados em cumprir o dever de prestar assistência em todo território de Minas Gerais.

As dificuldades enfrentadas pelo Serviço Odontológico da PM são um reflexo do que acontece no restante do país. Para vencer os desafios, planejar é preciso. Por isso, o Coronel Carlos Augusto da Costa designa uma comissão composta de Oficiais Cirurgiões-Dentistas com o intuito de planejar e de implementar o Centro Odontológico da Polícia Militar. Fazem parte desse grupo: o Tenente Coronel PM CD Geni Nunes, o Capitão PM CD Francisco de Melo Rocha, o 1º Tenente PM CD Innocêncio Gigli Valente e o 1º Tenente PM CD Ozair Leite.

A comissão realiza o levantamento das necessidades odontológicas do 5° Batalhão, do Batalhão de Guardas, do 1°Grupamento de Incêndios e do CSA (Corpo de Serviço Auxiliar). A amostragem serve para a elaboração do projeto e implantação de uma filosofia de atendimento mais ampla, incluindo a participação de uma equipe auxiliar coordenada pelo cirurgião-dentista Tenente Coronel PM Geni Nunes. Dessa forma, a assistência odontológica ganha em qualidade e produtividade.

 

1978 - A Mercearia

O endereço da Avenida do Contorno, nº 3300, antes mesmo da instalação do Centro Odontológico já era um velho conhecido dos integrantes da corporação. Isso porque no galpão situado na Avenida do Contorno, nº 3300, no bairro de Santa Efigênia, funcionava a Subsistência, “Mercearia”, como era chamada pelos Militares. O espaço era voltado para a comercialização de gêneros de primeira necessidade, como arroz, feijão, açúcar, carne, artigos de cama, mesa e banho, além de peças de vestuário.

Todos os integrantes da Polícia Militar frequentavam a Mercearia e o encontro entre companheiros de fardas, Oficiais e Praças, em meio a uma compra e outra, era uma cena comum que compunha a atmosfera do local. Com sua diversidade de produtos, a Mercearia é uma marca daquele tempo em que os militares anotavam suas compras em cadernetas para serem pagas ao final do mês. De tudo se encontrava no local com facilidade, e a fatura ainda era descontada na folha de pagamento militar.

Em meados de 1978 a antiga Mercearia foi desativada e liquidada. Os artigos de subsistência saíram de cena. Mas o espaço não deixou de ser palco para o trânsito constante de militares, pois passou a sediar o futuro Centro Odontológico da Polícia Militar. Para abrigar o novo inquilino, o prédio da saudosa Mercearia precisou passar por adaptações. O projeto inicial de reforma teve o suporte do serviço de engenharia da Polícia Militar de Minas Gerais e do CSA (Corpo de Serviço Auxiliar), que forneceram pedreiros, carpinteiros, eletricistas, pintores, entre outros profissionais.

Depois de reformado, o espaço passou a contar com três módulos compostos por sete consultórios, além da implementação dos seguintes setores: central distribuidora de instrumentais e materiais restauradores e curativos, sala de raio x com câmara escura, central de ar que abastecia todos os módulos, laboratório de Prótese devidamente equipado, central de esterilização com o número necessário de instrumental para abastecer a todos os consultórios, sala de Educação Sanitária com enxaguatórios, vestiários femininos e masculinos, auditório, almoxarifado, consultório de triagem, sala de Serviço de Arquivo Odontológico e Estatística (SAOE) e salas de espera. Para os 21 consultórios instalados inicialmente foram previstas várias especialidades como: Prótese, Dentística, Endodontia, Periodontia, Ortodontia, Odontopediatria e Cirurgia.

No início, a equipe do novo Centro Odontológico da Polícia Militar era composta por cirurgiões-dentistas militares e profissionais civis cedidos pela Secretaria Estadual de Saúde, sendo auxiliados por funcionárias também civis recrutadas especificamente para prestarem serviços à Unidade. Para compor o quadro, foi realizada uma previsão de aumento do número de profissionais, bem como de auxiliares, técnicos em higiene dental e outros funcionários civis para o setor administrativo. Praças também eram aproveitados para a atividade da saúde dentro da corporação. Já no final de 1978, foi concluída a parte física do Centro e foram remanejados os Oficiais dentistas de batalhões para preencher os consultórios em dois turnos de trabalho.

1979 - A inauguração

A inauguração do Centro Odontológico ocorre no dia 5 de fevereiro de 1979 e conta com as presenças do Coronel Carlos Augusto da Costa, Comandante Geral da Polícia Militar de Minas Gerais, e do Dr. Eduardo Levindo Coelho, Secretário de Saúde de Minas Gerais, que representava o Governador da época, Dr. Ozanan Coelho. Na oportunidade, o Tenente Coronel PM CD Geni Nunes foi nomeado o Chefe do Centro Odontológico. O primeiro documento que atesta a criação do COdont foi o Detalhamento e Desdobramento do Quadro de Organização e Distribuição de 1979 (DDQOD). Outro documento que atesta seu surgimento é a Lei Estadual nº 7625, de 21 de dezembro de 1979, que discorre sobre a organização básica da PMMG.

1990

A função de Cirurgião-dentista se torna exclusiva de carreira militar e pela primeira vez a equipe auxiliar militar supera o contingente civil.

COdont hoje

O COdont oferece tratamento em 16 especialidades odontológicas, além de tratamento de urgência odontológica adulto e criança.

Você sabia?

O COdont oferece um amplo portfólio de serviços em saúde bucal, realizando mais de 200 tipos de procedimentos diários com reconhecida qualidade e competência, sendo um dos maiores e melhores centros de especialidades odontológicas de Minas Gerais e do Brasil.                       

 

 MARCAÇÃO DE CONSULTAS - TEL 31 3071-5650

 PARA DESMARCAÇÃO DE CONSULTAS - TEL 31 3071-5323