Polícia Militar de Minas Gerais

Institucional

Portfólio de Serviços Especializados


Portfólio de Serviços Operacionais

 


 

 

I –  Rondas Táticas Metropolitana  (ROTAM)


As Rondas Táticas Metropolitanas é um serviço exclusivo do Batalhão ROTAM, que consiste no emprego de Guarnições formadas com 04 (quatro) policiais militares que atuam no enfrentamento da criminalidade violenta, de forma suplementar as atividades das Unidades com responsabilidade territorial. Atua em zonas quentes de criminalidade ou reforça locais críticos executando a repressão qualificada, além de atuar na neutralização de forças adversas e defesa territorial. A Guarnição deverá atuar com equipamentos, armamentos e treinamento adequados para o grau de periculosidade da sua atividade e missão.

 
 
 

 

 

 II –  Policiamento de Choque (PChq)


O Policiamento de Choque consiste na mobilização policial militar de prevenção criminal,  controle e restauração da ordem pública, intervenção em estabelecimento prisional,  conflitos agrários, manifestações diversas, violentas ou não, policiamento em eventos,  praças desportivas, incursão em aglomerados urbanos, patrulhamento em zonas quentes  de criminalidade e defesa territorial. O emprego da tropa de choque deverá ser planejado  e orientado pela análise criminal e pela inteligência de segurança pública com vistas à  prevenção e repressão qualificada.

III – Moto ROTAM (MR)



A moto ROTAM é uma variante operacional caracterizada pela maior mobilidade de deslocamentos, atuando na repressão qualificada e no enfrentamento da criminalidade violenta. Consiste no emprego de policiais militares exclusivamente em motocicletas atuando em duplas, trios ou grupos maiores (conforme natureza da missão), para o desenvolvimento de intervenções policiais militares e ocupação de determinada localidade ou território. Em situação de normalidade, por meio de planejamento orientado na análise criminal e na inteligência de segurança pública, estes recursos poderão ser empregados em centros comerciais e nas proximidades de estabelecimentos bancários e financeiros, grandes corredores ou locais críticos, com a finalidade de coibir ou reprimir a prática de infrações penais..

IV – Policiamento Montado (PMont) 


O Policiamento Montado consiste consiste no emprego do cavalo conduzido por um policial  militar com a finalidade de executar o policiamento ostensivo preventivo ou controle de  distúrbios, destacando-se no cenário da sociedade pela sua maior visibilidade e  ostensividade.

V –  Policiamento Ostensivo com Cães (POC)


O Policiamento Ostensivo com Cães consiste em uma variante operacional a ser empregado a pé, potencializado pelo emprego dissuasivo do conjunto policial militar e cão. Recomenda-se o emprego mínimo de uma dupla de policiais militares, com um ou dois cães. Poderão ser utilizados em centros comerciais, áreas residenciais, operações de controle de distúrbios, reintegração de posse, em eventos esportivos e culturais. Possui como variante a Ronda Ostensiva com Cães; o Faro de Explosivos e o Faro de Drogas. 

 

 

VI –  Rondas Ostensivas com Cães (ROCCA)


As Rondas Ostensivas com Cães é direcionada para a repressão qualificada no atendimento e apoio às ocorrências ocasionais e de alta complexidade, que necessitem do emprego de cães, voltada para a busca de infratores homiziados em locais de difícil acesso, bem como na localização de drogas ilícitas. Participa ainda de operações conjuntas com as demais equipes especializadas e de área.

VII – Faro de Explosivos (FEx)


O Faro de Explosivos consiste em outra variante operacional, evidenciado na utilização do conjunto policial militar e cão, este adestrado para localizar substâncias explosivas. Atua em complemento à equipe do Esquadrão Antibombas, mediante o acionamento. Executa vistoria (caráter preventivo) para detecção de explosivos em eventos de grande vulto e que envolvam a presença de autoridades. Também será empregado na realização de busca (caráter reativo) de resposta imediata a uma ameaça envolvendo explosivos.

 

 

 

VIII- Faro de Drogas (FDr)


o Faro de Drogas é caracterizado na utilização do conjunto policial militar e cão capaz de localizar, por meio do faro do animal adestrado, substâncias entorpecentes ilícitas como maconha, crack, cocaína, mesmo que enterradas, misturadas em outras substâncias, escondidas no interior de objetos diversos, seja no interior de edificações ou fora delas.

IX –  Radiopatrulhamento Aéreo (RpAer)


o Radiopatrulhamento Aéreo consiste  no emprego de aeronave de asas fixas (aviões) e rotativas (helicópteros), devidamente comandada e pilotada por Oficial PM ou Piloto Civil contratado, apoiado por graduados nas funções de apoio terrestre, manutenção e/ou tripulantes operacionais. Destacam-se as seguintes atividades para o emprego da aeronave: busca de informações; identificação de pontos sensíveis,  apoio na produção de imagens de interesse operacional; apoio a transporte de tropa; inserção de forças policiais militares no teatro de operações; segurança da força policial militar; transporte e escolta de pessoas e valores; varreduras em matas e terrenos baldios; acompanhamento, interceptação, cerco e bloqueio de pessoas e veículos em fuga; monitoramento preventivo de trânsito; apoio em eventos e ocorrências de alta complexidade; apoio à tropa de choque no controle e restauração da ordem pública, intervenção em estabelecimento prisional, conflitos agrários, manifestações diversas e policiamento em eventos e praças desportivas; apoio à prevenção e ao combate de incêndios florestais e operações de fiscalização da atividade de Meio Ambiente; socorro; transporte de equipe médica; apoio ao Complexo MG Transplantes; apoio a atividades de Defesa Civil, radiopatrulhamento urbano, rural, ambiental e de mananciais, dentre outros.

 

 

 

 

X –  Operações Especiais (OPEsp)


são responsáveis pelas intervenções de repressão qualificada em incidentes críticos que exigem resposta especial da Polícia Militar para a garantia da aplicação da lei e preservação/restauração da ordem, realizadas sob coordenação e controle do Batalhão de Operações Especiais segundo protocolos ou planejamento específicos, logística apropriada e capacitação técnica, com empenho exclusivo nas missões típicas ou em treinamento, sendo vedado seu emprego no policiamento ordinário.

XI– Esquadrão Antibombas (EAB)


O Esquadrão Antibombas é composto por policiais militares especialistas em bombas e explosivos que realizam: vistorias, buscas, localização e destruição de explosivos e acessórios, fiscalização de explosivos (Indústria, Comércio e Mineração), desativação de artefatos explosivos improvisados ou convencionais, operações de contraterrorismo e defesa química, biológica, radiológica e nuclear. Além da qualificação profissional, os policiais militares do Esquadrão Antibombas utilizam equipamentos específicos, entre os quais: traje antibombas, sistema de raios-x portátil e braço robótico. É vedado o desenvolvimento deste serviço por qualquer policial militar que esteja desamparado da logística apropriada, treinamento adequado e sem conhecimento dos protocolos de atuação.

 

 

XII – Time de atiradores de precisão (Sniper)


É composto por policiais militares com as funções de sniper, caçador e spotter. O Tiro de Precisão Policial consiste no serviço especializado prestado por esses policiais militares devidamente treinados e preparados com armas, munições e equipamentos específicos para a atividade do tiro de precisão em situações complexas e operações de contraterrorismo. Suas missões envolvem o levantamento de informações, repasse na transmissão de inteligência em incidentes críticos com reféns ou situações que seja necessária a neutralização de ameaças iminentes à vida de quaisquer pessoas envolvidas em seu cenário de atuação ou disparos seletivos nas missões urbanas e/ou rurais.

XIII – Time de Entradas Táticas 


É formado por policiais militares que utilizam armamento, equipamento e treinamento específicos para atuação na gestão de incidentes críticos tais como: conter situação crítica; prover segurança aos Times de Negociadores, Gerenciamento de Crises e Antibombas; conduzir e proceder à rendição dos tomadores de reféns; realizar intervenção tática para resgate de reféns por meio do uso diferenciado de força; resgatar cidadão que esteja em tentativa de  autoextermínio com uso de armas ou explosivos; operações de contraterrorismo; dominar infratores armados barricados; atuar em confrontos armados entre infratores, ou no enfretamento entre infratores e policiais militares; varredura em edificações a procura de infratores de alta periculosidade; utilizar das técnicas e táticas de Patrulhamento em Local de Alto Risco; retomar pontos sensíveis ou infraestruturas críticas sob domínio de infratores; neutralização de forças adversas; defesa territorial e atuar na retomada de pavilhões de presídios onde os presos se encontrem rebelados.

 

 

XIV- Time de Gerenciamento de Crise


O Time de Gerenciamento de Crise é uma equipe composta policiais militares com a função de dar suporte técnico para a gestão do incidente crítico com a finalidade de controlar e coordenar as ações de respostas. Tem como funções principais a montagem do posto de comando, a redefinição do isolamento e montagem dos perímetros táticos, a produção de informações e relatórios para assessoria ao gestor e gerente do incidente crítico e o gerenciamento dos recursos humanos e logísticos. O objetivo é possibilitar uma solução aceitável para o incidente crítico, preservar vidas e garantir o cumprimento da lei.

XV- Grupo Especializado em Recobrimento(GER


É composto por Guarnições formadas por 04 (quatro) policiais militares e tem como objetivoprincipal o recobrimento às atividades de policiamento nas áreas de Batalhões e Companhias Independentes das Regiões do interior do Estado. Desempenha atividades em locais estrategicamente definidos e apontados pelo mapeamento criminal e inteligência de segurança pública, em ocorrências com maior grau de complexidade, na reação ao crime violento, forças adversas ou defesa territorial.

 

 

XVI- Moto GER (M GER)


é uma variante operacional caracterizada pela maior mobilidade de deslocamentos, atuando na repressão qualificada e no enfrentamento da criminalidade violenta. Consiste no emprego de policiais militares exclusivamente em motocicletas atuando em duplas, trios ou grupos maiores (conforme natureza da missão), para o desenvolvimento de intervenções policiais militares e ocupação de determinada localidade ou território. Em situação de normalidade, por meio de planejamento orientado na análise criminal e na inteligência de segurança pública, estes recursos poderão ser empregados em centros comerciais e nas proximidades de estabelecimentos bancários e financeiros, grandes corredores ou locais críticos, com a finalidade de coibir ou reprimir a prática de infrações penais.

 

XVII- Patrulha de Atendimento de Meio Ambiente (P MAmb) 


O PMAmb é o tipo de patrulhamento motorizado ou embarcado com o objetivo de proceder à fiscalização ambiental integrada das atividades e empreendimentos com potencial poluidor degradador, recursos hídricos, intervenções ambientais, fauna, solo, patrimônio cultural e patrimônio urbano, visando contribuir para cumprimento das normas ambientais, reservação, conservação e proteção do meio ambiente, além do combate ao crime e violência no campo.

XVIII- Comando de Operações em Áreas de Mananciais e Florestas (COMAF)


o Comando de Operações em Áreas de Mananciais e Florestas é formado por policiais militares capacitados para intervenções peculiares, direcionadas para trabalhos que necessitem de respostas típicas das operações especiais diferenciadas em áreas não urbanas ou interioranas. Especializada em captura de infratores de alta periculosidade ou busca e resgate de pessoas em áreas de matas, mananciais ou locais de difícil acesso, defesa territorial e ainda ações de neutralização de ameaças assimétricas (guerrilha, cangaço, crime organizado ou terrorismo) ou forças adversas.

XIX Patrulhamento Aquático (PAq)


É variante operacional do Policiamento de Meio Ambienteque consiste no patrulhamento dos recursos hídricos, bem como em complemento à patrulha de atendimento de meio ambiente com embarcações, visando facilitar deslocar rapidamente pelo espelho d’água proporcionando, durante as ações e operações, maior eficiência e objetividade nas abordagens. O referido serviço também é adequado para locais turístico e extenso espelhos d’água, considerando proporcionar maior presença, mobilidade e ostensividade.

XX - Patrulha de Operações de Meio Ambiente (Pop Mamb)


Também se apresenta como variante operacional do Policiamento de Meio Ambiente, caracterizada por policiais militares emveículo de quatro rodas, com a finalidade de realizar operações policiais em locais estrategicamente definidos e apontados pelo mapeamento das infrações e crimes ambientais, considerando a inteligência de segurança pública ambiental, além do combate ao crime violento no campo. As operações podem ser apenas com policiais militares empregados na atividade ambiental ou emconjunto com militares empregados no policiamento rodoviário ou ostensivo geral.

XXI - O Programa de Educação Ambiental (PROGEA) 


 Tem como objetivo estimular estudantes do 4º ano do ensino fundamental das escolas das redes públicas e particulares do estado de Minas Gerais a serem competentes e hábeis para a adoção de comportamentos que visem contribuir para a prevenção ambiental, a sustentabilidade, melhoria da qualidade de vida, promovendo ainda o civismo e patriotismo com vistas ao cumprimento da lei, preservação da ordem e desenvolvimento do país e do Estado de Minas Gerais.

XXIII- Patrulha de Trânsito (PATRAN)


a Patrulha de Trânsito atua em veículo de quatro rodas, formada por um ou dois policiais militares, podendo haver complementação por militar a pé. É empregada em meio urbano, de forma preventiva mediante planejamento contido em cartão-programa, inibindo o ometimento de irregularidades/infrações de trânsito, garantindo a obediência à sinalização e a proteção dos condutores e pedestres, o atendimento e registro de ocorrências de trânsito urbano, assim como de forma repressiva, no enfrentamento à criminalidade e desordem

XXIV– Grupo Tático de Trânsito (GT) 


grupamento formado por policiais militares experientes na condução de motocicletas, comandados por graduado que pode estar ambarcado em viatura quatro rodas (e motorista) que atue em apoio às blitzen e demais operações desenvolvidas pela Unidade. A Patrulha Tática de Trânsito poderá ainda ser empregada nas escoltas para viabilizar deslocametos rápidos de autoridades/dignitários, em manifestações populares para fins de controle de trânsito e ainda em combate a desordem no trânsito.

XXV– Transitolândia 


é um espaço  destinado a prática da educação e formação de cidadãos conscientizados em cumprir a lei, voltados à correção de atitudes e ao desenvolvimento do sentimento de respeito ao trânsito, à lei, à ordem, fortalecendo sentimentos cívicos, patrióticos e valores morais.

XXVI- Radiopatrulhamento Rodovário (RpRv)


o Radiopatrulhamento Rodoviário é um tradicional instrumento de radiopatrulhamento, composto por policiais militares atuando no processo motorizado em veículo de quatro rodas, com a finalidade de realizar ações previamente estabelecidas nas rodovias, visando principalmente atendimento de ocorrências de trânsito, o combate ao tráfico de entorpecentes, porte ilegal de armas e o crime em geral. 

XXVII- Grupo Tático Rodoviário (GTR)


Equipe composta por 03 (três) policiais militares, devidamente equipados e armados, que atuam em viatura de grande porte e tem como objetivo principal o patrulhamento ostensivo das rodovias de forma preventiva e repressiva a atos criminosos de qualquer natureza que atentem à ordem pública e à incolumidade das pessoas e, ainda, o recobrimento tático às outras modalidades de policiamento.

XXVIII- Motopatrulhamento Rodoviário (MpRv)


atua em veículo de duas rodas  com a finalidade de realizar ações previamente estabelecidas nas rodovias, visando principalmente atendimento de ocorrências de trânsito, o combate ao tráfico de entorpecentes, porte ilegal de armas e o crime em geral. 

XXIX- Patrulha de Operações Rodoviária (Pop Rv)


consiste na realização de operações repressivas e preventivas objetivando despertar no usuário da via a importância do respeito à sinalização, à legislação de trânsito em prol da vida, e o combate ao crime. As operações em rodovias podem ser realizadas apenas por policiais militares rodoviários ou com o apoio do policiamento ambiental e/ou policiamento ostensivo geral.

XXX- Posto de Fiscalização Rodoviário (PFRv)


é um serviço preventivo prestado em uma edificação, às margens da rodovia, onde são realizadas operações policiais em conjunto com outros órgãos. Serve de referência para atendimento aos usuários da via.