Palavra 

Polícia Militar de Minas Gerais

separe os e-mails por vírgula

Resultado da operação " Conta encerrada" em Montes Claros

14/11/2017

Nesta terça-feira, 14, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), a Polícia Militar (PMMG) e a Polícia Civil (PCMG), deflagraram a operação denominada “CONTA ENCERRADA” que investiga, ações criminosas envolvendo uma quadrilha especializada em explosões de caixas eletrônicos no norte de Minas Gerais.


A operação que foi realizada desde a madrugada desta data, contou os efetivos de 40 homens da Polícia Militar, aeronave Pégasus da 3ª BRAVE/PMMG, Canil e 37 policiais civis. Foram expedidos 6 mandados de prisão visando efetuar a prisão de pessoas ligadas aos crimes investigados. Houve prisão de 04 homens suspeitos de integrarem quadrilha que efetuava estouros a caixas eletrônicos em Capitão Enéas e outras cidades da região; D.H.P., 27 anos, que ao tomar conhecimento da abordagem, evadiu em um veículo Corsa Sedan, o qual foi apreendido e entregue no pátio do DETRAN; E.S.S., 23 anos; J.N.F., 31 anos e F.F. dos S., 26 anos, o qual seria, segundo informações obtidas durante as investigações, o líder dos criminosos. Outros dois homens também apontados como integrantes da associação criminosa, estão foragidos, são eles: Jaques Rezende Gonçalves Júnior e Nicolas Sued Gusmão Oliveira.


O nome da Operação refere-se aos esforços conjuntos das instituições de segurança envolvidas na desarticulação deste núcleo criminoso que atuava na prática de explosões de caixas eletrônicos das Agências Bancárias do Norte de Minas e que é remanescente da Operação Novo Cangaço deflagrada pela Polícia Civil de Montes Claros, no ano de 2015.


Pelo menos quatro dos suspeitos destes crimes estavam presos, desde o dia 24/07/2015 (Operação Novo Cangaço) e foram libertados da prisão no mês de Julho/2017, tendo após a libertação se juntado para a prática dos crimes investigados nesta Operação.


Em 29 de setembro/2017, o autor E.S.S, mesmo cumprindo o benefício de “saída temporária” garantido pela lei, participou do ataque à Agência Bancária em Capitão Enéas no Norte de Minas. Nesta ação, a Polícia Militar atuou rapidamente, efetuando a prisão de suspeitos e apreendendo seus armamentos. A partir daí, ocorreu a coleta das informações que levaram às prisões efetuadas na data de hoje, com a junção e apoio de todos os órgãos, Promotoria, Polícia Militar e Polícia Civil, provas coletadas no Inquérito Policial que tramita na Comarca de Francisco Sá.


Em coletiva de imprensa ocorrida nas dependências da 11ª Região Integrada de Segurança Pública em Montes Claros, participam os Promotores de Justiça, Dr. Flávio Márcio Lopes Pinheiro, subcoordenador do GAECO; Dr. Daniel Piovanelli Ardisson, Promotor de Justiça da Comarca de Francisco Sá e Membro do GAECO, Comandante da 11ª RPM, Coronel Klevson Pires Martins, Chefe do 11º Departamento de Polícia Civil, Dr Renato Nunes Henriques, Comandante da 11ª Cia Ind de Policiamento Especializado, Tenente-Coronel Adriano Ribeiro de Freitas, Delegado Regional da 1ª Delegacia de Polícia Civil, Dr Jurandir Rodrigues César Filho, Delegado Antidrogas, Dr Herivelton Ruas Santana e Subcomandante da 11ª Cia Ind PE, Capitão Welington Eduardo Mourão Ferreira.


Os entrevistados destacaram ainda, a atenção do Governo do Estado no fortalecimento logístico e de pessoal das forças de segurança, para que as instituições Polícia Militar e Polícia civil pudessem combater a atuações destas associações criminosas. De acordo com a informações do Comando da Polícia Militar local, no ano de 2017 houve 46% de redução nas ocorrências de explosões a caixas eletrônicos na região, em comparação com todos os registros efetuados no ano de 2016.


Tal resultado somente foi possível, graças às intervenções conjuntas e pontuais das instituições de segurança pública na região, conforme destacado em todas as falas das autoridades presentes.


É muito importante a participação da população nas ações de segurança pública. Denuncie os foragidos por meio 190 (emergências policiais da PM), 197 (disque denúncia da PC) e 181 (Disque denúncia unificado – DDU).

Autor: Ministério Publico de MG